segunda-feira, 29 de janeiro de 2024

PARADOXO DOS PLÁSTICOS

 

Tecnologias de limpeza estão sendo vendidas como cura para todos os males - mas não são.

QUANDO TECNOLOGIAS DE LIMPEZA FAZEM MAIS MAL QUE BEM 

Jannike Falk-Andersson, autora deste artigo, é pesquisadora do Instituto de Pesquisas para a Água e o Meio Ambiente (Noruega).


PARADOXO DA LIMPEZA DOS PLÁSTICOS 

O problema cada vez maior da poluição plástica levou a esforços generalizados para combatê-la através de tecnologias inovadoras de limpeza.

Estes avanços, no entanto, muitas vezes vistos como a solução mágica para resolver a nossa crise dos plásticos, por vezes causam mais danos do que benefícios. 

Este paradoxo da limpeza dos plásticos foi abordado em uma publicação recente, onde um grupo de partes interessadas, representando diferentes perspectivas, se reuniu para discutir esta questão premente.

O consenso que emergiu do diálogo é claro: As tecnologias de limpeza devem ser regulamentadas no âmbito de um tratado internacional sobre plásticos para garantir que beneficiem genuinamente o ambiente.

Em outras palavras: Devemos adotar uma filosofia de "limpar, não bagunçar".

Bioplásticos não cumprem promessa de sustentabilidade 

O paradoxo dos plásticos: Quando tecnologias de limpeza faz mais mal que bem

Incêndio do navio X-Press Pearl, na costa do Sri Lanka, que incendiou-se em 20 de maio de 2021 e afundou após 12 dias queimando.

Capture plásticos, não tartarugas

Mas por que essa cautela? Quando visamos o lixo, obviamente encontramos ecossistemas repletos de vida. Arrastar uma rede através do oceano para capturar plásticos pode prender involuntariamente os próprios organismos que pretendemos proteger, como a infeliz tartaruga apanhada nos nossos esforços bem-intencionados.

Além disso, a eficácia de uma tecnologia em um local pode ser impraticável noutro. Consideremos o caso do equipamento de limpeza fornecido ao governo do Sri Lanka após o desastre da X-Press Pearl, onde pelotas de plástico inundaram o ambiente. Esta tecnologia foi projetada para superfícies secas, mas as pelotas infiltraram-se nos substratos molhados, de modo que o equipamento era inadequado. A falta de fundos e de capacidade para reparações significou que a limpeza manual era mais econômica. Isto sublinha a importância de se avaliar a relação custo eficácia antes de selecionar uma abordagem de limpeza para uma área específica.

A concentração de lixo também desempenha um papel fundamental. Muitas tecnologias de limpeza são adaptadas para detritos oceânicos, mas as acumulações mais densas são frequentemente encontradas nas costas. O custo da implementação das tecnologias de limpeza também aumenta quanto mais difícil for o acesso à área, com a limpeza do fundo do mar e do oceano aberto tendo custos de capital muito elevados. 

Para obtermos mais retorno para o investimento, portanto, devemos dar suporte a projetos centrados nas áreas mais poluídas e que possam ser limpas com relativa facilidade. 


O PARADOXO DOS PLASTICOS : Quando tecnologias de limpeza faz mais mal que bem

É necessário regulamentar as tecnologias de limpeza da poluição plástica em nível internacional, dizem os pesquisadores.

[Imagem: Jannike Falk-Andersson et al. - 10.1021/acs.est.3c01885]

Problemas Pós-limpeza

Nós também sabemos muito pouco sobre o que acontece com o lixo depois de retirado do meio ambiente. O lixo deve ser classificado, transportado e processado. Todas essas etapas podem incluir soluços inesperados. Em muitos casos, a maior parte do que é capturado é material orgânico. Ele deve ser removido e o lixo limpo e classificado em frações que, esperamos, possam ser recicladas.

Transportar lixo entre jurisdições nacionais pode não ser fácil. Depósitos seguros ou instalações de reciclagem podem não estar disponíveis localmente, aumentando o risco de o plástico recuperado acabar em locais onde não deveria - como voltar ao oceano. 

Também foi demonstrado que o plástico que está no oceano é de baixa qualidade, dificultando a reciclagem.

Para garantir que as limpezas proporcionem um benefício líquido, devemos considerar cuidadosamente estes fatores.


O PARADOXO DOS PLASTICOS: Quando tecnologias de limpeza faz mais mal que bem

Diferentes tecnologias são dirigidas para diferentes situações.

[Imagem: Jannike Falk-Andersson et al. - 10.1021/acs.est.3c01885]

Como Maximizar o Impacto das Tecnologias de Limpeza

Os esforços para reduzir o lixo no ambiente, incluindo a utilização de tecnologias de limpeza, são muito promissores. No entanto, devemos considerar como tirar proveito de todo o seu potencial. 

Em primeiro lugar, compreender os tipos de lixo encontrados fornece informações valiosas para os tomadores de decisão que pretendem evitar mais lixo.
A coleta de dados é Fundamental.

Além disso, o funcionamento e a eficácia das tecnologias de limpeza podem informar programas de divulgação, inspirando um maior envolvimento público na abordagem da crise do plástico. A gestão da tecnologia, o incentivo à comunicação e a promoção da reutilização e reciclagem do lixo também podem criar oportunidades econômicas e empregos significativos.

Para garantir que aproveitamos ao máximo estes esforços, defendemos a implementação de diretrizes e regulamentos relacionados com tecnologias de limpeza no âmbito do tratado internacional dos plásticos. Esta etapa é vital para processos de avaliação robustos, implantação eficiente de tecnologias de limpeza, documentação adequada do destino do lixo e esforços aprimorados de monitoramento e divulgação.

Fazendo isto, as tecnologias de limpeza podem ser parte da solução para a poluição plástica, permitindo-nos limpar sem estragar.


Bibliografia: 

Artigo: Cleaning Up without Messing Up: Maximizing the Benefits of Plastic Clean-Up Technologies through New Regulatory Approaches

Autores: Jannike Falk-Andersson, Idun Rognerud, Hannah De Frond, Giulia Leone, Rachel Karasik, Zoie Diana, Hanna Dijkstra, Justine Ammendolia, Marcus Eriksen, Ria Utz, Tony R. Walker, Kathinka Fürst
Revista: Environmental Science & Technology
Vol.: 57 (36), 13304-13312
DOI: 10.1021/acs.est.3c01885


FONTE: 
INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS







Nenhum comentário:

Postar um comentário

CAVALOS RAROS - PARTE 03

  CAVALO FRIESIAN O cavalo friesian, também chamado de frísio ou frisão, provavelmente uma das raças mais populares e apreciadas do mundo, é...