quinta-feira, 8 de junho de 2023

BANCO SEM AGÊNCIA

 


BANCO SEM AGÊNCIA: FUTURO OU AMEAÇA? 
EVOLUÇÃO, DESAFOS E POTENCIAL [2022]

02 de novembro de 2021

POR: Alex Malyshev

 

Por que os clientes ainda preferem as agências bancárias à conta bancária sem agência?

Por que os bancos aderem às agências?

A evolução do banco sem agências. É realmente rei?

Desafio de segurança de autenticação bancária sem filial

A solução do problema de segurança ainda não foi encontrada?

O futuro da banca

Os neobanks sem agência digital-first, altamente funcionais e incrivelmente fáceis de usar, como Revolut, N26, Monzo e NuBank, atingiram o mainstream não muito tempo atrás. No entanto, pode ser surpreendente saber que os bancos sem agências existem há quase 25 anos. Na verdade, o primeiro banco apenas para Internet, o Security First Network Bank (SFNB), foi um dos IPOs mais quentes da Internet em 1996.

À primeira vista, o banco sem agências economiza o custo de operação de agências. Ele oferece aos clientes maior comodidade, pois todas as transações podem ser feitas a qualquer hora, em qualquer lugar.

Mas se isso fosse tudo que houvesse, não haveria filiais hoje. De fato, o número de filiais tem aumentado constantemente nos últimos 15 anos.

Agências de bancos comerciais por 100 mil adultos. Fonte: Banco Mundial

Mas vamos começar do início e definir o significado de sem ramificações.

O QUE É UM BANCO SEM AGÊNCIA?

Os serviços bancários sem agência são a prestação de serviços financeiros fora das agências bancárias tradicionais, muitas vezes por meio de agentes, e a transmissão de dados de transações por meio de tecnologias de informação e comunicação. Estes geralmente incluem terminais POS de leitura de cartão e telefones celulares.

QUAIS SÃO AS VANTAGENS DO BANCO SEM AGÊNCIA?

Economizando tempo

Conveniência

Higiene (tão relevante para os tempos de pandemia)

Acessibilidade 24/7/365

Esses são os benefícios mais óbvios que deveriam tornar os serviços bancários sem agência atraentes para os consumidores, mas não é mesmo?

Solução bancária sem agência

Crie seu banco somente digital com o software SDK.finance

Saber mais

Por que os clientes ainda preferem as agências bancárias à conta bancária sem agência?

Eles são familiares

Em áreas remotas e cidades distantes, uma agência bancária é vista milhares de vezes pelos moradores em suas vidas. Quando um deles quer abrir uma nova conta bancária, onde é mais provável que vá? Para sua agência local, que eles viram muitas vezes, ou para um banco desconhecido anunciado em um outdoor?

Confiança por meio da comunicação interpessoal

Uma vez que o cliente abre uma conta, a agência se torna uma ferramenta de fidelização ao banco. A equipe do balcão pode responder a perguntas e ajudar os clientes a escolher as soluções financeiras certas para suas necessidades. A assessoria e o atendimento geram confiança, e cada interação é uma oportunidade para o banco aprofundar o relacionamento com o cliente e vender serviços adicionais.

Eles anunciam seus próprios serviços

Assim como outdoors, anúncios de jornal e TV, as agências bancárias são usadas para anunciar seus produtos e serviços. Seja a filial do Barclays no meio de Piccadilly Circus em Londres ou a filial do JPMorgan Chase em Times Square em Nova York, ambas as filiais são veículos de publicidade permanentes e funcionais para seus bancos.

Filial do Barclays em Piccadilly Circus, Londres, Reino Unido.
Fonte: Wikipédia


PORQUE OS BANCOS ADEREM ÀS AGÊNCIAS?

Menores riscos de roubo de identidade

O contato pessoal na agência não apenas abre oportunidades financeiras e de negócios adicionais para clientes e bancos, mas também ajuda a minimizar os riscos de segurança. Um método muitas vezes esquecido de confirmar a identidade de um cliente é uma proteção comprovada contra fraudes. Para criminosos, roubo de identidade e falsificação de identidade são muito mais arriscados no ramo do que online.

Crescimento da receita por meio de vendas cruzadas e autoatendimento

Para o JPMorgan Chase, os benefícios da abertura de novas contas, fidelidade do cliente e oportunidades de vendas cruzadas geralmente somam receitas adicionais de US$ 1 milhão por ano por agência. Nos últimos anos, os banqueiros tiveram ainda mais tempo para se concentrar em aconselhar e reter clientes. Desde a automatização da maioria das transações diárias das agências com terminais de autoatendimento, a receita adicional reduziu em sete meses o período de retorno das novas agências.

Melhor utilização dos funcionários

Além de seus benefícios como unidades independentes, as lojas têm vantagens adicionais quando agrupadas em uma rede. Ao distribuir tarefas de back-office de lojas ocupadas para lojas menos ocupadas, a utilização dos funcionários é maximizada. Também reduz custos, pois uma filial em Nova York teria custos de pessoal muito mais altos do que uma filial na área rural de Iowa.

A EVOLUÇÃO DO BANCO SEM AGÊNCIAS É REALMENTE REAL?

Com o teste de estresse sem precedentes desencadeado pela pandemia de coronavírus, o mundo bancário está mais uma vez envolvido em um debate sobre o futuro do setor: agência x sem agência. Com um terço da população mundial trancada e várias agências bancárias fechadas, muitos estão convencidos de que as agências bancárias estão mortas e que o futuro sem agências parece brilhante. Mas esta opinião também não é nova. Embora possa parecer que as ramificações perderam sua utilidade, o debate ramificação vs. sem ramificação é, na verdade, muito mais complicado.

Vamos examinar as tendências da perspectiva histórica para investigar o que o conceito de banco sem agência deveria corrigir e como ele evoluiu para os bancos digitais sem agência de hoje.

DÉCADA DE 1990 - CONHEÇA O PRIMEIRO BANCO SEM AGÊNCIA

Em 1995, o vice-presidente sênior do First Union National Bank (agora Wells Fargo) afirmou que “o setor bancário sofrerá o mesmo destino que o dinossauro nos próximos cinco anos, a menos que o sistema bancário de agências físicas seja rejeitado em favor de alternativas mais ágeis.” Ele achava que empresas como IBM, Microsoft e AT&T entrariam no setor bancário com suas alternativas sem agências e superariam a concorrência.

Para entender melhor por que essa era uma grande preocupação para um alto executivo, precisamos olhar para a situação econômica da época. O final da década de 1990 foi uma época de forte crescimento econômico, inflação baixa, produtividade crescente e um mercado de ações em expansão.

A confiança na economia levou alguns bancos a abrir muitas agências em um esforço para aumentar as receitas adicionando conveniência ao cliente e ignorando os custos. Um artigo de 1996 no Journal of Monetary Economics estimou que a ineficiência era superior a 20% dos custos operacionais.

Com o rápido crescimento de muitas empresas de tecnologia, o conselho temia que os bancos não fossem capazes de acompanhar a concorrência de alta tecnologia. A banca sem agências foi vista como uma solução para redes de agências ineficientes e uma forma de reduzir significativamente os custos.

No entanto, o primeiro banco sem agência, o SFNB, teve uma história diferente. Após um IPO bem-sucedido em 1996, a empresa levantou capital significativo e tinha US$ 55 milhões em depósitos no final de 1997. O SFNB concentrou-se fortemente no desenvolvimento de seu software bancário amplamente aclamado, que foi usado por 16 dos 100 maiores bancos dos EUA, mas deixou nada para construir seu banco. Os custos somaram US$ 50 milhões em perdas em 1996-1997, e os ativos do banco foram vendidos por um valor um pouco acima do valor contábil.

ANOS 2000.  O MOBILE BANKING SURGE 

Embora o SFNB não tenha sido bem-sucedido, mostrou que o conceito de banco sem agência poderia funcionar, e outras empresas lançaram suas próprias versões sem agência. No início dos anos 2000, havia nove bancos virtuais independentes e 20 spin-offs de bancos existentes. Mas, semelhante ao SFNB, a vantagem financeira de custos indiretos físicos muito mais baixos não se traduziu imediatamente em altos lucros.

Um artigo de 2001 publicado pelo Federal Reserve Bank de Chicago atribuiu o problema ao fato de que a tecnologia “ainda é relativamente jovem, então os efeitos de aprendizado ainda não foram esgotados”. Mas então a bolha das pontocom estourou, a demanda e o capital secaram e os bancos sem agências se tornaram um investimento arriscado.

No primeiro evento de tecnologia de serviços financeiros da Finovate em 2007, várias demonstrações apresentaram softwares que permitiram serviços bancários online em dispositivos móveis. A Firethorn e a Monitise ofereciam aplicativos que permitiam aos usuários interagir com sua conta bancária, transferir dinheiro e fazer pagamentos.

Uma reportagem de capa do Economist previu que “o dinheiro, depois de milênios como uma das tecnologias mais versáteis e duradouras da humanidade, finalmente se fundirá em um fluxo eletrônico de uns e zeros nos próximos 15 anos”. O artigo fala de uma nova ordem mundial em que o mobile banking substituirá o metal e o papel. 

Fonte: The Economist, fevereiro de 2007 

Mais importante, o artigo termina com a questão do anonimato dos dados. Quando se trata de pesar a conveniência contra a privacidade, a maioria das pessoas tende a escolher a conveniência. Apesar de todas as suas vantagens, os pagamentos eletrônicos e os serviços bancários remotos apresentam falhas de segurança que podem levar a abusos criminosos.

Em 2009, o Banco Mundial identificou quatro vulnerabilidades potenciais do conceito sem agência:

ANONIMATO

o risco de não saber a verdadeira identidade de um cliente

VOLATILIDADE

a capacidade de disfarçar os montantes, origens e destinos das transações móveis

ACELERAR

a velocidade com que as transações ilícitas podem ser realizadas

Supervisão regulatória e de supervisão inadequada

o risco de que a falta de clareza sobre os papéis e responsabilidades dos reguladores financeiros e de telecomunicações afete a qualidade da supervisão

2010s. A ascensão dos neobancos

A nova década viu um aumento no uso de serviços bancários móveis e online. Em 2010, mais de 80% da população mundial tinha cobertura de telefonia celular, e os bancos sem agências encontraram um novo meio.

Melhorias nos telefones celulares e na qualidade da conectividade com a Internet levaram a uma expansão dramática no número de aplicativos bancários. Os efeitos de aprendizagem começaram a se esgotar, o que levou à redução de custos.

Um relatório da Bain sobre bancos de varejo calculou que cada interação bancária digital custava um custo variável de cerca de 10 centavos, enquanto uma interação com um caixa ou agente de chamadas custava US$ 4, ou 40 vezes isso! Para otimizar custos, os bancos começaram a direcionar os clientes de forma mais agressiva e ponderada para o autoatendimento por meio de canais digitais.

Embora as filiais tivessem muitos benefícios que geravam receita adicional, elas estavam se tornando mais caras para produzir. O custo médio por metro quadrado aumentou 25% de 2013 a 2016, com a filial média custando US$ 2,4 milhões para construir, incluindo terrenos. Apesar do custo, as agências eram essencialmente insubstituíveis para a maioria dos bancos americanos. O US Bank observou que em 2016, 60% de suas transações foram realizadas digitalmente, mas 80% da atividade de vendas ainda ocorreu na agência.

A nova geração de bancos sem agência começou a capitalizar a tendência recente de os clientes usarem apenas serviços bancários digitais e visitarem uma agência com menos frequência. Com amplo financiamento de investidores, surgiram Nubank, N26, Monzo, Revolut e outros neobancos.

Os Neobanks usam tecnologia inovadora e altamente eficiente que não apenas mantém os custos baixos, mas também permite que eles implementem novos recursos em uma fração do tempo que seus concorrentes tradicionais levam. A Revolut, por exemplo, tornou incrivelmente fácil começar – qualquer pessoa pode abrir uma conta em menos de 60 segundos. Tudo o que você precisa fazer é baixar o aplicativo, inserir suas informações e confirmar sua identidade.

Não é apenas a conveniência que está levando novos clientes a bancos somente digitais. A capacidade de manter dinheiro em várias moedas gratuitamente, câmbio de moedas a taxas de mercado, transferências instantâneas e taxas transparentes tornaram os desafiantes uma alternativa atraente aos bancos tradicionais.

No entanto, nem todos estão convencidos de que todos os neobancos durarão no longo prazo.

A questão da lucratividade – como os neobancos ganham dinheiro?

O chefe de fintech do ING, Benoit Legrand, disse isso sobre os neobancos em 2016:

“Eles estão florescendo em todos os lugares, mas ainda estamos esperando o modelo de negócios emergir. Onde está o dinheiro? Onde está o retorno?”

Os bancos tradicionais ganham a maior parte de seu dinheiro com produtos de crédito, como empréstimos e hipotecas, que a grande maioria dos neobancos não oferece atualmente. Quando o financiamento acabar, como aconteceu no início dos anos 2000, os neobancos que não obtiveram lucro terão dificuldades para sobreviver.

COMPARAÇÃO DE LUCROS DOS BANCOS DESAFIANTES

Durante 25 anos, as agências sobreviveram e prosperaram porque trouxeram mais receita para os bancos de outras maneiras além do processamento de transações de clientes. As agências bancárias funcionam como veículos de publicidade, incentivam a fidelização dos clientes e criam oportunidades de venda cruzada.

No entanto, muitos especialistas financeiros apontam que as agências ainda existem porque a geração mais velha precisa delas. A geração mais jovem e experiente digitalmente pode concluir as mesmas transações online de forma mais rápida e conveniente.

Houve um consenso de que as filiais não seriam mais necessárias após a mudança geracional. Mas essas declarações foram baseadas na certeza inabalável de que o futuro será sem agências, pois alternativas bancárias sem agência como Revolut, N26, Monzo e NuBank permitem que os clientes obtenham os mesmos e muitas vezes melhores resultados em uma fração do tempo e ao custo dos bancos tradicionais.

Plataforma de e-wallet multiuso

Opere com qualquer moeda/ativo que você possa imaginar

Mais detalhes

Desafio de segurança de autenticação bancária sem filial

De todas as funções das agências bancárias, um processo simples, mas crucial, é muitas vezes esquecido. Sempre que um cliente deseja que algo seja feito em uma agência bancária, primeiro ele precisa verificar sua identidade. Este procedimento relativamente simples é muitas vezes mais complicado e difícil de fazer online. 

A autenticação do consumidor desempenha um papel vital no debate branch vs. branchless. Se não pudermos ter certeza de que a pessoa do outro lado da conexão é quem afirma ser, todo o sistema estará em risco. Os hackers podem se disfarçar como cidadãos que respeitam a lei, os lavadores de dinheiro podem movimentar dinheiro anonimamente e os cibercriminosos podem permanecer indefinidamente indefinidos.  

E quanto à autorização de dois fatores, biometria e outros sistemas de autenticação? Eles já não confirmam a identidade de um cliente de forma remota e segura, você pode perguntar? 

A resposta curta é que eles fazem até que não. 

Cada novo desenvolvimento de segurança é recebido com inúmeras tentativas de explorá-lo. Assim como a terceira lei de Newton, para cada ação, há uma reação igual e oposta. Ao longo da história, a humanidade esteve presa nessa corrida armamentista perpétua, que provavelmente não terminará tão cedo. 

O fato é que não importa quão boa e segura seja a nova tecnologia, depois de cinco, dez ou doze anos, haverá uma maneira de explorá-la. Apesar disso, há mais do que apenas segurança, como o próximo exemplo demonstrará. 

Insira a autenticação de dois fatores

No início dos anos 2000, a autorização de dois fatores (2FA) era realizada usando um token de segurança, geralmente na forma de um chaveiro que gerava um código único a cada 60 segundos. O hardware RSA SecurID era uma solução popular, e a empresa comandou mais de 70% do mercado de autenticação de dois fatores em 2003, incluindo bancos e empresas como a Lockheed Martin. 


HARDWARE RSA SECURID

Em 2011, os sistemas da RSA foram comprometidos ao serem vítimas de um sofisticado ataque cibernético. Como resultado, eles tiveram que substituir 40 milhões de dispositivos ativos para 30 mil clientes. Um ano depois, uma equipe de pesquisa decifrou o dispositivo da RSA em menos de 13 minutos , demonstrando outras vulnerabilidades exploráveis. 

No entanto, mesmo antes de os sistemas da RSA serem comprometidos, seu custo os impedia de entrar no mercado de massa. Os bancos simplesmente não podiam dar a cada cliente um dispositivo RSA quando custavam US$ 50 por chaveiro por dois anos. Em vez disso, apenas clientes com contas consideráveis ??que gerassem receita significativa para o banco teriam acesso a elas. Apesar de todos os seus méritos de segurança, um chaveiro físico não poderia ser usado para autenticação em massa sem incorrer em custos substanciais. 

SMS: A SOLUÇÃO QUASE PERFEITA

A década de 2000 viu um rápido crescimento no número de dispositivos móveis usados ??para receber senhas de uso único (OTP) por SMS. O método tinha várias vantagens sobre o sistema de token, o que resultou em sua ampla adoção. 

Em primeiro lugar, o custo. Os bancos não precisavam mais emitir chaveiros caros para os clientes. Em vez disso, os clientes compraram seus dispositivos móveis por conta própria. O único grande investimento para os bancos foi a tecnologia que lhes permitiria enviar OTPs. Cada SMS custa uma quantia insignificante em escala, e os clientes têm uma maneira conveniente de autenticar suas operações. O sistema foi uma atualização brilhante. Por algum tempo.  

O problema com a autenticação SMS OTP é que ela tem inúmeras falhas exploráveis. Os hackers conseguiram contornar o SMS OTP de muitas maneiras diferentes durante anos. Desde transferência de números móveis e interceptações de operadoras até desvios de senhas perdidas e ataques de engenharia social, várias explorações tornam a tecnologia insegura. Somente em 2018, havia 680 mil casos conhecidos de aquisições de SIM móveis usadas para roubar fundos. 

A diretiva PSD2 da UE, que visa proteger melhor os consumidores e aumentar a prevenção de fraudes, proíbe o uso de SMS OTP porque não fornece autenticação forte do cliente (SCA) em pagamentos online. A solução outrora brilhante não é mais considerada segura por si só. 

A ATIVIDADE DIGITAL É TÃO ÚNICA QUANTO UMA IMPRESSÃO DIGITAL,  MAS É SUFICIENTE?



Além do SMS, bancos e instituições financeiras usaram a localização de um cliente e a atividade online para criar uma impressão digital exclusiva que seria usada para acessar suas informações. No entanto, os cibercriminosos conseguiram hackear esses sistemas para acessar os bancos de dados de impressões digitais e vender acesso a eles online. 

Com acesso a essas informações, os invasores podem representar completamente a identidade online de alguém usando mais de 100 pontos de dados registrados, como endereço IP de um usuário, geolocalização, versão do sistema operacional e como um indivíduo interage com seu dispositivo.

A BIOMETRIA NÃO É PRIVADA
E a biometria?
Scanners de impressão digital, facial, íris, retina e voz são apenas alguns dos sensores usados para segurança e autenticação em dispositivos móveis modernos, mas isso não os torna seguros de usar.   
Além de bancos de dados online desprotegidos que podem ser violados para obter dados biométricos, pesquisadores japoneses extraíram com sucesso impressões digitais de fotos de indivíduos usando câmeras de consumo de nível médio que foram replicadas usando impressoras de resina 3D. 
Enquanto o reconhecimento facial rudimentar foi derrotado usando fotos simples de um indivíduo, os sistemas mais avançados foram contornados usando uma cabeça impressa em 3D que foi formada usando várias fotos tiradas de diferentes ângulos. As varreduras de olho e retina foram derrotadas em menos de um mês, imprimindo uma imagem de uma íris e adicionando uma lente de contato para combinar com a curvatura do olho. 
 
A autenticação de voz foi contornada sintetizando a voz a partir de gravações de áudio e executando-as por meio de algoritmos de inteligência artificial (IA) e aprendizado de máquina (ML). O uso de tecnologia moderna resultou em novas ameaças altamente sofisticadas à segurança digital que são difíceis, se não impossíveis, de neutralizar para sempre. 
O maior problema com os dados biométricos é que eles são estáticos – não podem ser alterados. Se sua senha estiver comprometida, você poderá redefini-la e criar uma nova rapidamente. Se sua impressão digital ou digitalização de retina for roubada, como você as recupera? Uma vez vazado, cria um problema de segurança permanente. 
Tanto para os bancos sem agência quanto para os tradicionais, os méritos da autenticação biométrica são claros. É rápido de usar, impossível para os clientes esquecerem e pode atuar como uma camada adicional de autenticação. Mas as falhas de segurança e vulnerabilidades são como se não fossem mais aparentes. Com acesso à biometria do consumidor, os invasores podem não apenas roubar fundos, mas cometer fraudes e lavagem de dinheiro em uma escala incomparável sem correr o risco de serem pegos. 
A solução do problema de segurança ainda não foi encontrada?

Mesmo que todos esses sistemas pudessem ser invulneráveis a ataques man-in-the-middle, ainda haveria um problema com a segurança física. Todo sistema descrito acima é baseado na confiança. Uma crença de que um cliente é quem está segurando um chaveiro, um telefone celular, um laptop etc. Se um criminoso retirar o dispositivo ou forçar um cliente a desbloquear seu dispositivo usando biometria sob ameaça de força, a confiança será quebrada, e esses sistemas podem ser explorados de outras maneiras.


O FUTURO DA BANCA
Agora é hora da parte mais emocionante – especulações e sugestões sobre para onde o mercado bancário irá nas próximas décadas.

Existem 75 mil agências bancárias em todo o mundo. É importante que o seu número continue a crescer, e é claro o porquê. A filial testada e comprovada promove a fidelidade do cliente, aumenta as vendas e ajuda os clientes a se identificarem pessoalmente. No entanto, também é caro. Os altos custos operacionais foram uma das principais razões para a criação dos primeiros bancos sem agências.

Hoje, a tecnologia bancária sem agência tornou-se muito mais econômica e versátil. No entanto, há ressalvas aqui também: métodos de autenticação remota como 2FA, biometria e impressões digitais já foram explorados e comprometidos. Eles não são à prova de futuro. E aqui reside o maior perigo para os bancos sem agências.

Uma rede global de agências para todas as instituições financeiras
Imaginemos por um momento que essas 75 mil agências formam uma entidade separada, uma rede independente. Separado dos bancos, mas acessível a eles e a outras instituições financeiras, como corretores, consultores financeiros, provedores de serviços de pagamento, serviços de câmbio e transferência de dinheiro e muitas outras instituições financeiras por uma taxa de associação.

Os exemplos a seguir são serviços relacionados a bancos que exigem e se beneficiam de uma presença física.

PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO CONFIÁVEL
 
Os bancos sem agências estão em ascensão devido aos avanços na tecnologia de identificação móvel, como autenticação multifator, Touch ID, Face ID, Voice ID, etc. Esses métodos de identificação funcionam bem para transações diárias, mas não são seguros o suficiente para transações de alto valor transações. As transações em grande escala ainda exigem uma combinação de biometria de nível industrial e interação entre humanos.

Imagine se cada filial tivesse uma instalação que permitisse aos clientes verificar sua identidade com segurança absoluta usando scanners biométricos de nível industrial. Não importa se você está de férias no Sri Lanka ou em casa em Londres, tudo o que você precisa fazer é entrar, se identificar e confirmar a transação.
Se tudo estiver em ordem, você pode prosseguir com seu login e dados biométricos. Caso contrário, o banco pode investigar se suas credenciais foram comprometidas e identificar a origem da violação de segurança, enquanto seus ativos permanecem seguros.
Confirmar quem é quem em ambos os lados de uma transação não apenas ajuda a prevenir fraudes, lavagem de dinheiro e crimes cibernéticos, mas também protege todos os envolvidos contra ataques físicos e intermediários.

REUNIÕES FÍSICAS 
 
Um bom local para negociações requer proteção adequada contra espionagem e um interior agradável, além de autenticação avançada. A tecnologia moderna nos permite ampliar as capacidades desses espaços de negociação com uma conexão segura à Internet e equipamentos de videoconferência altamente criptografados. Pelo menos em teoria, isso poderia levar a uma rede global de salas de reunião altamente seguras que permitem a troca de informações confidenciais e ideias impactantes.
Agências bancárias compartilhadas poderiam ser usadas para reuniões presenciais entre representantes da empresa e clientes para aconselhá-los sobre produtos e serviços financeiros mais complexos – uma ferramenta importante não apenas para a retenção de clientes, mas também para a satisfação do cliente.

Se você deseja fazer uma hipoteca, pode marcar uma consulta com um representante do seu banco para discutir detalhes e condições pessoalmente em uma agência perto de você: em Nova York, Tóquio ou Wyssneve. Onde quer que você esteja.

Mas digamos que você também queira pesar suas opções, então agende outra consulta com um credor P2P no mesmo local. Você pode então comparecer a ambas as consultas, decidir qual provedor é melhor para você e usar as opções de identificação para verificar sua identidade e assinar um contrato – tudo sem sair da agência.

ESPAÇO PARA EDUCAÇÃO FINANCEIRA
 
Um espaço onde muitos ativos mudam de mãos e muitos especialistas financeiros e econômicos se reúnem deve ser o local preferido para aprender sobre finanças, negócios e economia em geral. Palestras e workshops gratuitos são uma maneira de aspirantes a especialistas ganharem reconhecimento, enquanto palestras e tutoriais pagos permitem que especialistas estabelecidos monetizem seu reconhecimento. Eventos educacionais e oportunidades nos locais de trabalho diários permitiriam mais e melhor compartilhamento de conhecimento. 

Tudo se resume a bancos tradicionais adaptando seus modelos de negócios para melhor alavancar seus imóveis. De um proprietário local a um membro de uma rede global de centros financeiros em todas as cidades do mundo. A representação global é um grande passo para qualquer banco local.
ATMs – um exemplo de uma abordagem de rede global em ação

Em termos de infraestrutura e compartilhamento de dados, já temos um bom exemplo: a atual rede ATM presta serviços aos clientes de qualquer banco do mundo ATM. Por uma fração do custo, consumidores e bancos obtêm acesso a uma rede verdadeiramente global e funcional. O sistema já existe, embora para um propósito diferente.
No entanto, o processo de fusão de agências pertencentes a vários bancos diferentes não será fácil. No mínimo, uma rede global de centros financeiros exigiria um padrão uniforme para coisas como conexões criptografadas para chamadas de vídeo, gerenciamento global de dados e padrões de proteção, padrões de identificação biométrica, padrões de segurança física e muito mais.
De certa forma, esse modelo se concentra no que os bancos sempre foram – redes de confiança. O mundo precisa de uma rede confiável em escala global como nunca antes.

FORNECEDOR CONFIÁVEL DE SOLUÇÕES BANCÁRIAS SEM AGÊNCIA
O SDK.finance reconhece os desafios que os bancos totalmente digitais enfrentam e oferece a plataforma de banco de varejo que facilita a superação. Interessado em um núcleo transacional robusto para um neobanco iniciar seu próprio empreendimento sem agência? Então entre em contato e vamos discutir seus requisitos para ver como nossas soluções os atendem.

Referências:
www.businessinsider.com/countries-on-lockdown-coronavirus-italy-2020-3
thefinanser.com/2012/05/bank-innovations-must-be-culturally-relevant
www.cnet.com/news/first-online-banks-final-withdrawal
finovate.com/videos/finovate-2007-firethorn/
www.economist.com/leaders/2007/02/15/the-end-of-the-cash-era
www.bain.com/insights/customer-loyalty-in-retail-banking-2016
bankingjournal.aba.com/2016/10/branch-costs-and-size-are-change
www.businessinsider.com/branch-banking-still-plays-an-important-role-2016-12
fincog.nl/blog/15/the-profitability-challenge-for-challenger-banks
www.howtogeek.com/350676/how-secure-are-face-id-and-touch-id


FONTE:  SDK FINANCE 









Nenhum comentário:

Postar um comentário

A GRAFICA PERTINHO DE VOCÊ

  UMA GRÁFICA DE TIRAR O CHAPÉU!! TUDO PERTINHO DE VOCÊ. ESCOLHA SEU SERVIÇO AQUI https://ninki.com.br/cards/ninki.html O QUE FAZEMOS: SERVI...